Os 5 pilares da Inteligência Emocional

Home / Artigos / Os 5 pilares da Inteligência Emocional

Os 5 pilares da Inteligência Emocional

Albert Einstein. Uma pessoa reconhecidamente inteligente, certo?

Afinal, ele recebeu o Nobel de Física em 1921 por conta dos seus estudos sobre efeitos fotoelétricos (e não por conta da sua teoria mais famosa, a da Relatividade, como muitos podem pensar).  Bom, que Einstein tinha um quociente de inteligência altíssimo, é inquestionável. Mas, ele é um bom exemplo de como QI e inteligência emocional são coisas completamente diferentes.

Apesar do reconhecimento acadêmico, a vida pessoal de Einstein não era tão bem-sucedida. Sua parceira de estudos e esposa, Mileva, jamais recebeu reconhecimento formal pelas suas colaborações (embora tenha recebido o dinheiro do prêmio Nobel como parte do acordo de divórcio) e terminou seus dias dando aulas particulares de matemática. Um dos filhos do casal, Eduard, sofria com esquizofrenia e, após o divórcio, nunca mais viu o pai. Apesar do seu talento com os números, as relações pessoais de Einstein eram turbulentas e instáveis.

Percebeu como inteligência emocional e inteligência cognitiva são diferentes? Desenvolver a inteligência emocional nos ajuda a ter relações mais saudáveis com os outros, mas ela tem um propósito muito mais profundo: fazer com que nos relacionemos bem com os nossos próprios sentimentos.

As emoções têm mais influência no nosso comportamento do que imaginamos, uma vez que as respostas emocionais são muito mais rápidas que as racionais. Quando algo acontece, nosso lado emocional já tem a resposta pronta, enquanto o racional ainda está processando os fatos para, só então, analisá-los e oferecer uma solução. Ao trabalhar a inteligência emocional, assume-se o controle desse fluxo, não ficando à mercê dos sentimentos.

Já falamos sobre inteligência emocional no trabalho aqui no Portal e também da sua importância entre aqueles que almejam posições de liderança. Hoje, o assunto são os pilares que sustentam o desenvolvimento dessa habilidade tão necessária para a vida, em todos seus âmbitos. Acompanhe.

Os 5 pilares da inteligência emocional

A inteligência emocional é um assunto relativamente recente. O livro “Inteligência Emocional: a teoria que redefine o que é ser inteligente”, considerado a principal obra sobre o tema, foi lançado em 1995 pelo psicólogo e jornalista científico Daniel Goleman. Nele, o autor define quais os pilares da inteligência emocional. São eles:

Pilar 1: Conhecer as próprias emoções

Quando você sente raiva, será que essa é a sua verdadeira resposta ou ela pode estar camuflando um sentimento de frustração? O que dizer, então, da ansiedade? Ela é o manto que pode esconder uma série de emoções muito mais complexas. Ela faz você achar que está ansioso por conta de uma apresentação, por exemplo, quando, na verdade, esconde o medo de fracassar ou de ser julgado.

Saber reconhecer e nomear as emoções que sentimos é o primeiro grande exercício para desenvolver a inteligência emocional. Afinal, como gerenciar emoções que você não conhece? Para facilitar esse processo de autodescoberta, um exercício simples é anotar, ao final de cada dia, os sentimentos que você percebeu e como você lidou com eles.

Pilar 2: Controlar as emoções

Ao entender quais as emoções que você verdadeiramente sente, é hora de trabalhá-las. Ao final de uma semana de anotações, faça um balanço dos sentimentos mais frequentes e da forma como você lidou com eles.

Ao desenvolver esse segundo pilar da inteligência emocional, é importante que você entenda a diferença que existe entre dois conceitos: autopercepção e heteropercepção. A primeira, como você já deve saber, se refere ao que entendemos e percebemos. A segunda, diz respeito ao modo como os outros enxergam a mesma situação. Muitas vezes, a autopercepção diz que o seu modo de agir é assertivo; enquanto isso, as pessoas ao seu redor interpretam suas ações como sendo de uma pessoa ríspida, afinal você é o que as pessoas enxergam e não o que você pensa.

Descobrir o que os outros pensam a nosso respeito é sempre um ato de coragem, pois nem sempre as mensagens que enviamos são lidas com o mesmo tom com o qual as enviamos. Conhecer a percepção alheia é fundamental para quem quer trabalhar a sua inteligência emocional, pois assim consegue-se controlar melhor a emissão de mensagens e evitar entendimentos distorcidos.

Pilar 3: Automotivação

Aprender a gerenciar suas emoções e racionalizar antes de tomar qualquer decisão traz benefícios como a diminuição de conflitos interpessoais e internos. Sendo assim, o caminho a percorrer em direção aos seus objetivos se torna mais tranquilo e equilibrado.

É muito fácil voltar a antigos padrões de comportamento e isso acontece com todo mundo. O que não pode acontecer é acreditar que não dá para mudar, que “eu sou assim mesmo”. É aí que a automotivação mostra porque é um dos pilares que sustentam a inteligência emocional.

Lembre-se do porquê está investindo nessa mudança, nos benefícios pessoais e profissionais que a inteligência emocional irá trazer e não desista do seu aperfeiçoamento!

Pilar 4: Empatia

Assim como a inteligência emocional, a empatia é um conceito que, recentemente, tem ganhado destaque. Ter empatia é se colocar no lugar do outro. Mas, fazer isso verdadeiramente, de maneira sensível e aberta, sem julgamentos. Seu colega se aborreceu por algo que você considera uma bobagem? Ser empático é mais que apenas validar e respeitar o sentimento alheio, mas tentar se inserir naquele contexto, entender porque, para ele, aquele acontecimento tão banal despertou essa emoção.

A empatia é uma escolha e desenvolvê-la é um processo que requer dedicação. Falamos melhor sobre isso no post O que é empatia? Como desenvolver essa habilidade? e recomendamos a leitura se você quer desenvolver sua inteligência emocional.

Pilar 5: Sociabilidade

Uma consequência do desenvolvimento da empatia é construir relações mais positivas e saudáveis. As habilidades sociais afetam todos os âmbitos da vida, afinal, é impossível viver sozinho. Dos relacionamentos afetivos à vida em família, passando pela carreira, todos os dias é preciso lidar com pessoas diferentes.

Ter manejo social, conseguir transitar entre os grupos e se relacionar bem com eles, é um dos pilares da inteligência emocional. É, sem dúvida, uma das formas mais eficientes de criar um ambiente positivo ao seu redor, com relacionamentos baseados no respeito.

Esses pilares se relacionam entre si, um complementando o outro. Como você pôde perceber, a inteligência emocional começa com o autoconhecimento, fazendo com que você reflita sobre os seus sentimentos e objetivos. Só então, eles se dedicam à relação com os outros. Juntos, esses pilares sustentam a inteligência emocional de maneira holística, fazendo com que o seu desenvolvimento seja uma atividade realmente transformadora.

Gostou de saber mais sobre Inteligência Emocional? Para complementar a leitura, sugerimos o artigo Como manter a calma no trabalho, que traz dicas de como lidar com os momentos de estresse e pressão no ambiente profissional.

Fonte: Portal Dale Carnegie.



Fonte: https://portaldalecarnegie.com/os-5-pilares-da-inteligencia-emocional/

Start typing and press Enter to search

7749ea76-c8b0-41b3-b640-393af37e31a1